Sarjeta

Durmo no relento, abraçando a sarjeta, minha mais antiga e confiável companheira. Começo o dia com seu beijo e digo adeus e até logo. É em frente uma igreja. Bancos e igrejas são bons porque ficam vazios de noite e ninguém te incomoda.

Como um animal eu vasculho meu território a procura de coisas que ainda tenham algum valor. Para mim. Para os outros. Alguém deixou em um banco o resto de um Milk Shake. Sento ali do lado e fico esperando para ver se não voltam pois mesmo algo que parece abandonado quando tomado por alguém vil como eu sou pode gerar violência.Eu sei, já senti muitas vezes. É por algo assim banal que quase não enxergo do meu olho direito. Agora ando pelas ruas sempre virando a esquerda. É um jogo que faço. É possível andar todo meu terrítório sem virar nenhuma única vez para a direita. Assim nenhum ataque por vir desapercebido em uma esquina.

Pego o Milk Shake e me afasto. Morango. Gostoso. Ainda gelado. Hmmm. Plástico infelizmente não tem valor. Jogo em uma lixeira, mas não sem antes olhar se não há nada ali, uma latinha talvez. Não havia.

Fome, Fome; Fome.

Mas pelo menos não tá frio.

Fome… Pára de roncar!

Não pára.

A moça da loja de sapatos vai levar o lixo e me vê lá esperando. Ela faz um gesto pra esperar e espero. Ela volta com o resto de sua marmita. Ela já fez isso antes e me sinto culpado de ter ficado ali. Não tinha carne mas tava bom, bom.

Fico ali um pouco e faço uma flor de latinha. Uma latinha a menos, mas um presente pra ela. Deixo na porta, espero que ela ache. Não fica tão bom sem uma tesoura, mas me deixaram sem quando me levaram. Me deixaram sem nada. Sem nada mesmo. Nem cabelo e barba deixaram. Mataram meus companheiros de vida. Parasitas eles chamam. Como me chamam também. Parasitas.

Viro a esquerda, com mão na parede. A textura me deixa feliz. Um homem me diz para tirar a mão porque está sujando. Assustado eu tento fugir, coração na boca. Ele vem atrás me xingando. Eu corro com meu saco de
latinhas e um policial vem. Não consigo falar, não deixam eu falar. O policial pega meu saco e joga longe e ameaça bater. Eu tento ir na direção do saco e ele me empurra e eu caio. Riem. Todos riem. Sangue escorre no meu olho bom. Sair dali é muito difícil, sem enxergar, sem colocar as mãos na parede, sem tudo que eu tinha naquele dia. Só consigo me afastar das risadas.

Um carro freia e me xinga, só guardo a palavra sujo. Sujo. O dia acaba e meu estômago doendo. De fome, de raiva, de medo. O dia acaba com a sarjeta quente me consolando enquanto eu chorava baixinho, cheguei cedo e as pessoas ainda saindo do culto passavam longe de mim, com medo, com nojo, com a certeza de que é assim porque Ele quis.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s